Dados da Codeplan confirmam desigualdade no DF



PDAD mede indicativos, como grau de instrução, renda e escolaridade. Coordenador pede apoio da população para receber os pesquisadores

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) divulgou, na tarde desta quarta-feira, os resultados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) de 2013. Os indicadores reforçam o abismo social entre as regiões administrativas. A renda per capita do Lago Sul e do Jardim Botânico, por exemplo, é quase 15 vezes maior do que na Estrutural.

O grau de instrução também está diretamente relacionado aos ganhos das famílias. Enquanto 66% dos moradores do Sudoeste e da Octogonal têm diploma de ensino superior, na Estrutural apenas 0,51% dos residentes são formados. Já o índice de analfabetismo no Paranoá é de 4,48%, enquanto, no Sudoeste, 100% dos moradores sabem ler e escrever.

O estudo divulgado pelo presidente da Codeplan, Júlio Miragaya, ainda confirma a centralização dos postos de trabalho no Plano Piloto. Em apenas três das 31 regiões administrativas contempladas no estudo, mais da metade da população mora e trabalha na própria cidade. "As atividades laborais das pessoas ainda estão bastante concentradas no Plano Piloto. Embora tenha havido uma redução em relação à última pesquisa—feita em 2011— o processo de descentralização se dá de forma bastante lenta", afirmou Miragaya.

Ceilândia, a mais populosa
Seguindo a tendência de anos anteriores, Ceilândia continua sendo a maior e mais populosa região administrativa do DF. São mais de 456 mil pessoas. Na sequência, aparece Samambaia (229 mil), seguida pelo Plano Piloto (216 mil) e por Taguatinga (214 mil). Percentualmente, a região com o maior incremento populacional foi São Sebastião, que ganhou mais 20 mil habitantes, um aumento de 12%.

Para o gerente da base de dados da Codeplan, Jusçanio Souza, a principal função da PDAD é permitir aos gestores construir medidas utilizando-se de dados confiáveis: "A ideia é oferecer aos administradores públicos meios para que consigam focalizar os problemas mais latentes e arrefecer, por meio de políticas públicas, as desigualdades socioeconômicas".

PDAD 2015
Os pesquisadores da Codeplan devem iniciar a PDAD 2015 em fevereiro, e a previsão é encerrá-la em 2016. Essa edição contará com algumas novidades, como a inserção de cinco indicadores no questionário: participação social, mobilização pela escola pública, segurança no domicílio, acesso à internet e frequência a cursos preparatórios.

Para a elaboração de uma pesquisa que retrate a condição social de cada cidade, o coordenador de campo da Codeplan, Douglas de Queiroz, pede que a população contribua no levantamento. Ele reclama que, principalmente nos bairros mais nobres, síndicos de condomínios dificultam o acesso aos moradores.

"É importante esclarecer que os nossos pesquisadores são uniformizados, usam crachá e portam o documento de autorização da pesquisa", descreveu. "É bom frisar que a construção de um retrato fiel auxilia no desenvolvimento da região, portanto, fazemos um apelo para que as pessoas recebam os nossos pesquisadores."

Google Plus

Por Sistema Blogger Brasília de Comunicação

DF 24 Horas

0 comentários DF24HORAS:

Postar um comentário