Câmara Legislativa recebe pedido de cassação contra Liliane Roriz

Acusada de lavagem de dinheiro, a deputada se tornou ré, no último dia 11, em ação no TJDFT pela suposta aquisição irregular de dois apartamentos em Águas Claras. Em março, ela foi condenada no TRE-DF por crime de falsidade ideológica e compra de votos

Leonardo Arruda/Metrópoles
No último dia 11, a deputada Liliane Roriz (PTB) sofreu uma derrota na esfera judicial. Por unanimidade, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) recebeu a denúncia apresentada contra a distrital por lavagem de dinheiro. Agora, Liliane também terá problemas na seara política. A organização Adote um Distrital protocolou, na Câmara Legislativa, um pedido de cassação do mandato dela por quebra de decoro parlamentar. Segundo o Metrópoles apurou, o documento deve ser encaminhado à Corregedoria da Casa, que vai analisar a admissibilidade da ação.

Um dos motivos que embasam o pedido é justamente a ação que corre contra Liliane no TJDFT. Ela é acusada de ter recebido irregularmente dois apartamentos do empreendimento Residencial Monet, em Águas Claras. Segundo o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), os imóveis seriam fruto de crimes contra a administração pública.

E-mails, interceptações telefônicas, laudos da Polícia Civil e documentos de investigações embasam a denúncia do MPDFT contra Liliane e outras oito pessoas, sendo quatro do clã Roriz. Os documentos apontam que a parlamentar simulou contrato de compra e venda de dois apartamentos adquiridos pelo pai dela, Joaquim Roriz, como contraprestação financeira indevida, em troca da concessão de empréstimos do Banco de Brasília (BRB) à construtora WRJ Engenharia.

Condenação no TRE-DF
Outro fato apontado pela ONG Adote um Distrital para justificar o pedido de cassação da deputada é a condenação por crime de falsidade ideológica e compra de votos na campanha de 2010. Em 9 de março, Liliane foi julgada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF). De acordo com a ação movida pelo Ministério Público Eleitoral, ela ofereceu vantagens indevidas a eleitores na disputa por uma vaga na Câmara Legislativa; e também não declarou, na prestação de contas da campanha, despesas com apoiadores.

Tanto a condenação na Justiça Eleitoral quanto o processo que corre no TJDFT dificultam a situação política de Liliane na Câmara Legislativa. Uma vez protocolado, o pedido de cassação da distrital chega na Mesa Diretora, que o encaminha para a Comissão de Ética, onde será feita a leitura do documento. Após essa etapa, o pedido é remetido à Corregedoria da Casa. No órgão, é elaborado um parecer, pela admissibilidade ou não do processo. Se for admitido, retorna para o Conselho de Ética, onde é votado. Depois, segue para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ser votado em plenário.

Foro privilegiado
O processo de cassação correrá paralelamente à ação judicial no TJDFT. Como Liliane tem foro privilegiado por ser parlamentar, o caso está com o Conselho Especial da Corte. Por essa razão, a denúncia foi desmembrada. Joaquim Roriz, Weslliane Maria Roriz e Rodrigo Domingos Roriz Abreu serão julgados pela 2ª Vara Criminal de Justiça. Na 7ª Vara Criminal está a ação contra Jaqueline Roriz, que era deputada federal na época em que o episódio começou a ser investigado.

Investigação
A denúncia, com 43 páginas, detalha como a transação dos imóveis ocorreu. As evidências começaram a ser colhidas em 2007 pelo MPDFT e pelo Ministério Público Federal (MPF), no âmbito das operações Aquarela, Caixa de Pandora e Esperança.

De acordo com o documento, houve a simulação de diversos contratos particulares de promessa de compra e venda das unidades habitacionais. Dois deles estavam em nome de Bárbara Maria Roriz, filha de Liliane e menor de idade na época.

Relembre o caso
Segundo o MPDFT, Joaquim Roriz aceitou promessa de vantagem indevida em razão de função pública. Ele teria recebido 12 apartamentos no Edifício Monet, construído pela WRJ Engenharia, de propriedade de Roberto Cortopassi Júnior e Renato Salles Cortopassi, também citados na denúncia.

Ao mesmo tempo em que Roriz obtinha os imóveis, Tarcísio Franklin de Moura, ex-presidente do BRB; Antônio Cardozo de Oliveira, o Toninho, e Geraldo Rui Pereira, ex-diretor do BRB concediam a repactuação de dois financiamento, que ultrapassam R$ 6,7 milhões, à construtora WRJ.

“O favorecimento ilegal, tanto na concessão quanto na renegociação dos empréstimos, deu-se por obra da influência política do ex-governador do DF, que recebeu, em contrapartida, por intermédio de suas filhas, netos e da empresa JJL administração e participação LTDA., 12 unidades habitacionais”, diz a denúncia.

Processo político
Todo processo por quebra de decoro é essencialmente político. E, em geral, os deputados agem no sentido de se proteger. O espírito de corpo só é abalado quando a opinião pública pressiona a classe política a se posicionar. No caso de Liliane, ela já enfrenta um desgaste na vida pública. Sofreu um revés nas últimas eleições, quando viu sua popularidade despencar nas urnas. Seu pai, Roriz, adoeceu e se afastou da política. Acusada de corrupção, a irmã Jaqueline saiu de cena. E, mesmo na condição de vice-presidente da Câmara Legislativa, Liliane nunca assumiu um protagonismo na Casa.

Recentemente, filiou-se ao PTB. Mas, em poucas semanas, ficou órfã de seu padrinho político. O ex-senador petebista Gim Argello está preso preventivamente acusado de envolvimento no escândalo de corrupção da Lava Jato.

Isolada e com a perspectiva de responder o processo judicial em tempos mais severos – agora a condenação em segunda instância é suficiente para o cumprimento da pena -, Liliane corre um risco real de, em meio ao seu calvário na Justiça, cair na estação política, por quebra de decoro parlamentar.
Google Plus

Por Movimento dos Comunicadores do Brasil

DF 24 Horas

0 comentários DF24HORAS:

Postar um comentário